quinta-feira, abril 30, 2009

Nesta

coisa de pais e mães há muito que se lhe diga. E depois há aqueles seres minúsculos que nos vão alterar as rotinas e as formas de ser e ver a vida.
A ver:
A minha piolha que ontem elogiei, mas afinal era o dia dela e até o merece, nunca adormeceu sozinha. Nós, os morcões, não queremos que a bébé chore e até tá frio coitadinha e vai de adormecê-la ali deitadinho, ai que bom e que estou tão quentinho que não saio mais daqui.
Estipulamos que a partir dos 4 anos, que foi ontem, ela passaria a fazê-lo. Porque me faz falta alguém que me aqueça os pés. Afinal se fosse para dormir sozinha, não me casava...
Compenso no outro gaijo lá de casa, que me enche o coração mas não os braços.
E como eu estava dizendo, pela nossa lei ontem teria sido o primeiro dia que a rapariga se ia deitar sem ter ninguém que a aquecesse. Teria sido, não fosse ela tão convincente e tão pedinchona e o pai um coração mole. Ainda bati o pé, mas desatou num choro sentido e o papá alegou logo que afinal até era o dia do aniversário dela e que não a íamos fazer chorar.
Não sei o que se passou no quarto depois disto, nem sei se tentou apenas sentar-se e ler a história (parece-me que sim mas amuei e não perguntei nada).
Isto apenas para dizer que os filhos nos alteram as rotinas. Que vivemos quase para eles. Que esquecemos a outra parte. E que isso não devia acontecer.

3 comentários:

Tita disse...

Lolll aconteceu o mesmo lá em casa!
E continuou até aos 5, a adormecer comigo na cama dela. Aos 5 estava prometido, mas o choro persistiu e lá estava eu na cama dela até aos 6!
Mudou tudo com a chegada da barriga grande! Foi como consegui resolver :S
Sãs umas safadas. Eu de coração mole lá cai sempre :S
Joquinhas

Cristina disse...

É complicado para o casal. Mas a pouco e pouco, vão conseguindo...

Cristina

Luz de Estrelas disse...

Subscrevo. :D