quinta-feira, abril 30, 2009

Nesta

coisa de pais e mães há muito que se lhe diga. E depois há aqueles seres minúsculos que nos vão alterar as rotinas e as formas de ser e ver a vida.
A ver:
A minha piolha que ontem elogiei, mas afinal era o dia dela e até o merece, nunca adormeceu sozinha. Nós, os morcões, não queremos que a bébé chore e até tá frio coitadinha e vai de adormecê-la ali deitadinho, ai que bom e que estou tão quentinho que não saio mais daqui.
Estipulamos que a partir dos 4 anos, que foi ontem, ela passaria a fazê-lo. Porque me faz falta alguém que me aqueça os pés. Afinal se fosse para dormir sozinha, não me casava...
Compenso no outro gaijo lá de casa, que me enche o coração mas não os braços.
E como eu estava dizendo, pela nossa lei ontem teria sido o primeiro dia que a rapariga se ia deitar sem ter ninguém que a aquecesse. Teria sido, não fosse ela tão convincente e tão pedinchona e o pai um coração mole. Ainda bati o pé, mas desatou num choro sentido e o papá alegou logo que afinal até era o dia do aniversário dela e que não a íamos fazer chorar.
Não sei o que se passou no quarto depois disto, nem sei se tentou apenas sentar-se e ler a história (parece-me que sim mas amuei e não perguntei nada).
Isto apenas para dizer que os filhos nos alteram as rotinas. Que vivemos quase para eles. Que esquecemos a outra parte. E que isso não devia acontecer.

quarta-feira, abril 29, 2009

Cheguei

agora da escolinha da minha menina. Onde fui festejar o seu aniversário juntamente com o pai e com os meninos da sala dela.
Ao chegar ela ainda estava na sala do soninho. A educadora foi buscá-los e ela entrou muito envergonhadita. Eu já estava sentada na mesa dela com duas criaturas a mexer-me nos brincos e no fio e a perguntar-me mil e uma coisas. Sentou-se ao meu lado, sempre encostadinha, no miminho.
Giro, giro foi todos a cantarem os parabéns e a bateram palminhas. E nós que gostamos tanto de estar lá, naquele momento tão importante da vida dela.
Muitos meninos fizeram desenhos para lhe oferecerem.
E ela lá estava sempre tão caladinha e a olhar para todos e a rir-se para nós.
E, prometo amanhã postar foto das lembranças, todos deliraram com o pequeno recuerdo que ela ofereceu. Original e diferente das usuais gomas e merdices que é costume oferecer.
Nós adoramos. Mesmo. Foi giro e divertido.
A nossa primeira festinha.

4 anos...

Faz hoje 4 anos que vieste ao mundo. Foi contigo que aprendi a ser mãe. 4 anos passaram e continuas a ensinar-me e a ajudar-me a ser cada vez mais e melhor.
4 anos... olho para ti e parece que foi ontem que te vi nascer. Ao mesmo tempo vejo uma menina que já pouco ou nada tem de bébé.
És uma criança muito meiga, alegre e terna. Não gostas de ver os outros tristes. Proteges imenso as tuas coisas, chegando a esconder as favoritas aquando da visita dos primos.
Começaste há pouco tempo a desenvolver o teu lado malandro mas nota-se nas tuas atitudes que nunca vais ser um "terror". És sossegada e adoras desenhar e pintar.
Sei-te uma criança feliz. Não só porque nos dizes mas porque se vê nos teus olhos, nos teus sorrisos.
E eu queto-te assim para sempre: Feliz.
Que tenhas um óptimo Aniversário.

quinta-feira, abril 23, 2009

Socialidades

A minha filha recebeu o seu primeiro convite de aniversário. Para ir festejar no Sábado às 16h.
Disse-me logo que queria ir.
Hoje foi de camioneta com a avó até à cidade. Foi a primeira vez e estava radiante. Até me disse que tinha um rebuçado mas que o ia guardar para o chupar na "camineta".
A vida social da minha filha é muito mais agitada que a minha.

quinta-feira, abril 16, 2009

1 ano

Hoje o dia acordou cinzento e chuvoso. Dia molhado, dia abençoado.
Faz hoje 1 ano que nasceste. Às quinze e quinze lá te arrancaram de mim, todo sujo e roxo e encolhido e assim te deitaram no meu peito, feito ratinho, minúsculo, perfeito.
E foi ali, naquele momento que eu soube(mos) que eras tu que faltavas. Vieste iluminar mais um bocadinho as nossas vidas, já ela iluminada.
Pelo pouco que vimos, é um pequeno furacão. Muito mexido, super bem disposto a esbanjar charme com tudo e com todos. É muito raro ouvir-te chorar, a não ser que caias ou que tenhas dores.
A tua relação com a mana é dos momentos que mais me marcam nesta dupla maternidade. És um bocado possessivo e não deixas que ela te tire os brinquedos. Lutas por ele e chegas a bater-lhe quando ela o alcança.
Costumo dizer que tens momentos orgásmicos quando a vês: gritinhos histérios, pulos de alegria e todo tu te ris.
És o meu anjinho de cabelo claro e caracolitos. Não sei onde foste buscar este fenómeno, mas és giro até fartar.
Lembro-me de comentar com o Jo, ainda grávida, que o mal de termos uma filha muito linda e super sossegada, era o ter medo do desconhecido que aí vinha, de como seria ele, o seu aspecto fisíco e psicológico.
Mas revelaste-te o filho perfeito. Para já...
Estamos a começar o desmame. Tomaste hoje pela primeira vez leitinho de farmácia. A experiência não correu lá muito bem. Queria tentar aliviar a pressão que é alimentar-te de manhã. No meio da correria de vestir e dar pequenos-almoços queria ter aqueles vinte minutos para mais umas corridas. Afinal tenho que estar sentada contigo ali (e que bem que sabe). Mas teríamos sempre esses momentos à noite, num ambiente mais calmo e relaxado.
Parece-me que foi ontem que nasceste, mas também que estás connosco desde sempre.
Foste umas das melhores coisas da nossa vida.
Parabéns!!

quarta-feira, abril 15, 2009

Há um ano atrás

estava numa consulta de rotina para vermos o estadp da minha barriga(ona).
Tudo muito atrasado. Esperar uma semana.
Lembro-me que saímos de lá tristes. E tomamos um café em silêncio. Porque estávamos à espera que nascesses e já tínhamos tudo preparado.
E voltamos para casa.